My name is Patthy... Bondgirlpatthy

Bem - vindos ao meu cantinho virtual . A "casa" está sempre aberta à todos que queiram vir aqui ler e comentar meus posts. Este blog não tem compromisso jornalístico portanto não tem compromisso com a imparcialidade. Mas o meu compromisso com a democracia continua. Aqui toda opinião é importante e respeitada. Fiquem à vontade, a "casa" é de vocês. Voltem sempre q quiserem . Um beijo com muito carinho e obrigada.


segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

And The Oscar Goes To: The James Bond´s 50 th Anniversary

Começo meu post hoje, Domingo, 24 de Fevereiro de 2013  às 12:09 h (horário de Brasília) sem ter a mais remota ideia de quem conquistaria o Oscar na torcida pelas cinco indicações do filme 007 Operação Skyfall. Só uma coisa é certa: teremos um dos momentos mais maravilhosos que um Bond maníaco pode ter. Na grande noite de gala do Oscar James Bond sendo homenageado por seus 50 anos de sucesso no cinema .
Honestamente não me lembro de algum personagem fictício que tenha recebido esta honraria. Sei apenas que do mundo bondiano Albert "Cubby" Broccolli (IM), produtor da maioria dos filmes, recebeu o Prêmio Memorial Irving G. Thalberg, conferido em 1982 por ser considerado um produtor criativo e também de filmes de qualidade. Para se ter uma ideia do valor dessa atribuição, gênios como David O´Selznick (...E o Vento Levou), Walt Disney (Branca de Neve e os Sete Anões) e Cecil B. de Mille (Os Dez Mandamentos) receberam esta honraria em 1940, 1942 e 1953 respectivamente. Só gente boa mesmo cuja obra transcende ao seu criador e passa para a eternidade. Isso já deixa claro que "modas passageiras" que as pessoas falam muito quando explode incontrolável mas depois de algum tempo ninguém se lembra pode até colecionar Óscares "comuns" mas homenagem como esta NUNCA receberão.
 
 
Sean Connery como 007 (1962)


 
James Bond é um clássico mundial. Não importa a época política ou a moda, ele sempre esteve lá e é o espião mais famoso do mundo. A frase "Meu nome é Bond...James Bond"  dita com um charme absolutamente irresistível e a maneira que gosta de seu drink favorito, "vodca martini batido, não mexido " são reconhecidas por fãs apaixonados e não fãs, juntamente com a melodia do James Bond Theme composta por John Barry e tocada por Monthy Norman.  Cabe aqui uma confissão de fã ardorosa Bond maníaca desde os 6 anos de idade: O toque do meu celular é o James Bond Theme desde o primeiro aparelho ( já estou no 3º).
A homenagem de logo mais à noite promete. Estou ansiosa. Além de Adele que cantará o atual tema "Skyfall" que também concorre ao prêmio de "Melhor Canção Original" espera - se uma aparição  dos seis atores que fizeram o papel do agente secreto: Sean Connery, George Lazemby, Roger Moore, Thimoty Dalton, Pierce Brosnan e Daniel Craig , além de Michael G. Wilson, Barbara Broccolli, Hale Berry (007 Um Novo Dia Para Morrer).  Até vestirei a minha camiseta com a Gun Barrell dourada por cima da camisola para  esperar a homenagem...

 
 
 
...já estamos na Segunda - Feira, são 9:45h reinicio meu post depois da cerimônia do Oscar terminada. Bem, para começar, depois de cuidar da minha querida gata Francesca e colocá - la para dormir, fui para a internet onde meus queridos amigos Fábio (Comunidade 007), Sergio (Comunidade 007) e Marketto (James Bond Brasil) fizeram um hangout acompanhados por Thiago, o Tigre comentando o Oscar, alternativa às chatas interferências de José Wilker que considero um ator divertido e ponto.
Durante o hangout acompanhei a cerimônia apenas com a narração de viva voz ou digitada, descrevendo tudo que era exibido pelo canal a cabo TNT.
Como não tenho TV a cabo tive que aguardar a transmissão da Globo que começou depois da exibição de duas atrações que o público não conhecia. Vocês já ouviram falar em Fantástico e Big Brother Brasil? Pois é, "estreiaram ontem" no dia do Oscar, (rir para não morrer de raiva). Vou mandar um e - mail para a  emissora fora o montão de twetts que mandei reclamando. Por causa disso, perdi o que mais esperei prá ver: a homenagem à 007 com Shirley Bassey cantando Goldfinger. Felizmente existe a internet. Já vi o vídeo e Shirley estava impecável como uma verdadeira Diva, um esplendor, cantou glamurosamente, além do belíssimo James Bond Tribute. Beleza, elegância, sofisticação e muita ação. Tudo do jeito que o fã de 007 adora!

 No fim das contas, os "Bonds" não apareceram (houve também umforte rumor de que o cantor Tom Jones (Thunderball) viria e, juntando - se à Bassey, cantaria também sua canção tema, mas isso não se confirmou) De qualquer forma, mesmo com ausências sentidas, foi um momento marcantepara cada fã e que também entrou para a história.










Mas falando do Oscar comentado por fãs, divertido prá caramba. Mensagens e comentários divertidíssimos e um banho de talento e simpatia desses queridos amigos que adoro! Mandei algumas mensagens com elogios, comentários e beijos, muito carinho mesmo.
Depois de algum tempo no hangout, assisti a cerimônia pela Globo, estava cansada de ficar no computador. Não que a emissora mereça mas eu queria ver se Skyfall levaria algum prêmio e somente  por Bond vale o sacrifício já que não tenho outro jeito. E parece que dei sorte pois Skyfall conseguiu duas estatuetas, uma para "Melhor Canção Original" e outra por "Melhor Edição de Som". Foi um momento único porque desde 007 Contra a Chantagem Atômica (1965 - Efeitos especiais)  um filme de 007 não ganhou mais nenhuma estatueta. Para completar, a performace magistral e lindíssima de Adele entoando a canção vencedora, um deleite tão prazeiroso quanto assistir aquele filme de 007 predileto pela "enésima vez".







Mesmo que a Rede Globo tenha estragado grande parte de minha alegria esta será uma noite que nunca será esquecida e será guardada em meu coração Bond Maníaco. Os outros filmes e prêmios para mim são apenas coadjuvantes. Esta foi uma daquelas noites perfeitas (ou quase) dignas do requinte do universo de 007.
 

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

O Bi campeonato Mundial Corinthiano visto pelas lentes de um artista





Quem já teve a alegria de visitar o Memorial do Corinthians onde todos os títulos e grande parte da história de 102 anos deste clube são eternizadas, notou não só a beleza do lugar mas que ali, um passado glorioso ilumina e guia para o futuro os personagens que hoje ajudam a contar essa história da qual me orgulho muito. Documentos, impressões dos pés que tantos gols fizeram e mãos de goleiros e outros esportistas que fizeram do Corinthians um dos maiores times do mundo e a paixão eterna de milhões de "loucos" que o adotam como time do coração, inclusive eu.
E foi neste cenário que no sábado, dia 16 aconteceu o lançamento do livro "Bicampeão Mundo" do fotógrafo Daniel Augusto Junior, fotógrafo oficial do clube. Aliás, corrigindo: fotógrafo não, artista.
Este não é o primeiro livro dele. Desde 2008, as lentes de Daniel captam o que ninguém viu por não ter a sensibilidade necessária para ver. A cada título do Corinthians um livro novo. O primeiro "Eu Voltei" registra imagens da volta do time para a série A do Campeonato Brasileiro. Uma boa ideia pois até então a história corinthiana não era tratada com tanto zelo e cuidado (e com arte como toda história centenária e gloriosa merece).
E o lugar para o lançamento de tal obra de arte não podia ser outro senão o interior do Memorial Corinthiano entre os troféus e medalhas que lá estão.
O público que estava visitando o local misturou - se com o que foi ao lançamento do livro.
Daniel Augusto Junior atencioso e carinhoso com o público autografava. Cada autógrafo era único pois era dedicado nominalmente ao dono do exemplar. Ele também ambém conversava com todos, não tinha pressa, e esbanjava bom humor e muita simpatia. Entre outras coisas contei - lhe que segurei a taça do primeiro Mundial (2000) em minhas mãos e mostrei a foto. Ele achou muito interessante. Futuramente mandarei uma cópia caso ele queira guardar. Além de tirar muitas fotos, melhor dizendo, posar para muitas fotos com cada um dos corinthianos. Coisa raríssima na vida de qualquer fotógrafo profissional.
Daniel Augusto Jr autografa meu exemplar Foto: Vicky Comunale
Falando um pouco do livro: cada página é uma obra de arte. Mais de 300 fotos sem legenda ou texto (que diante da beleza são perfeitamente dispensáveis). Suas lentes captam emoções como a plasticidade de uma jogada, a alegria explosiva de um gol ou de uma conquista, a revolta por um lance perdido, o esforço do treino, a descontração nas folgas, a prece e o agradecimento, o suor, a lágrima e até seus hábitos e costumes que por vezes denunciam a terra natal do fotografado.  Confesso que não tenho os outros cinco mas já vi em livrarias. Só que este fiz absoluta questão de comprar por ser algo muito especial.
Particularmente gosto de uma foto que para mim traduz toda a emoção desta conquista e que tem uma beleza artística maravilhosa. Na foto vemos o zagueiro Paulo André caminhando em êxtase pelo campo de mãos postas em prece e um brilho lindo em seus olhos, parecendo flutuar. Emocionante! Esse livro também tem sua curiosidade: a defesa de Cássio captada por lentes adversárias na certeza de que um gol do Chelsea sairia. Um "acidente de percurso" que, convenhamos, veio a calhar. Essa é a foto mais emblemática que existe no livro e é a mais comentada e querida por todos, emoção que se eternizará para sempre no livro de Daniel e especialmente no coração de cada torcedor do Timão. Agradeço ao fotógrafo do Chelsea por essa recordação.
 

Eu e Daniel Augusto Jr Foto: Vicky Comunale
.
 
 E numa tarde tão especial como esta, amigos não podiam faltar. Durante a semana avisei minha querida e grande amiga "gêmea" Vicky, Corinthianíssima como eu. E não é que ela foi mesmo? Acompanhada por sua amada e simpática mãezinha.
Após sairmos, fizemos um tour pela belíssima loja do clube. E enquanto minha amiga conhecia tudo, batemos um papo animado e agradável. Alguém arrisca o assunto? (risos)


Autógrafo de Daniel Augusto Jr em meu livro
 
Como foi bom ver você minha querida e não poderia haver lugar mais bonito e apropriado para nos encontrarmos. E obrigada também por permitir que use suas fotos nesse post que também é dedicado à você.
E Daniel, que venham outros títulos e outros livros muito em breve. Adorei conhecê - lo. Um grande beijo.




Vicky (acompanhada por sua mãe) e eu antes do evento

 
 

Vicky e Daniel Augusto Jr
 
Eu e Vicky na loja do Corinthians
 

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Eu e o Super Bowl

Cartaz promocional do Superbowl 47 Foto: site Record.pt

 
Há exatamente um ano atrás estava zapeando a TV quando me deparei com um dos maiores espetáculos esportivos que já vi na vida. O Super Bowl e resolvi ficar assistindo. Apesar de regras bem confusas, o futebol americano é muito diferente do nosso "soccer".
A começar pela bola oval e aquelas roupas estranhas com ombreiras e capacete para proteger o jogador das pancadas e trombadas que são parte do jogo. Nesse esporte os adversários batem mesmo de frente e não é figura de linguagem!  Futebol Americano é sempre mostrado em filmes, desenhos ou séries e há também referências ao Super Bowl mas eu nunca soube que existia de verdade.
O primeiro jogo que assisti foi entre New York Giants x New England Patriots, transmitido pelo canal Esporte Interativo (36 UHF em São Paulo) Resultado final, vitória do Giants por 21 a 17 se tornando campeão da temporada passada. Durante a transmissão, troquei tweets com dois amigos que também assistiram a partida, só que na TV a cabo.  Adorei. E apesar de não torcer para ninguém, valeu pelo espetáculo e diversão.
Curioso que o Super Bowl, mais que um jogo é um evento que pára os Estados Unidos, como se fosse uma final de Copa do Mundo. Tanto que a data do jogo é chamada de Super Bowl Day onde a imprensa faz  uma ampla cobertura jornalística o dia inteiro até depois da partida encerrada. E tanto o Hino Nacional Americano quanto o show do intervalo (diferente das transmissões brazucas de "soccer", é um show mesmo com espetáculo misical e tudo) são sempre feitos por cantores famosos, normalmente aqueles que fazem mais se destacam no ano (ano passado, o intervalo foi embalado pelos sucessos de Madonna). Aí é que eu adorei pois sou muito fã dela!
Gostei tanto que esse ano repeti a dose. Novamente o Esporte Interativo transmitiu no último domingo dia 3 a partida entre São Francisco 49Ers x Baltmore Ravens. E eu não perdi nenhum lance, Ás 21:30h já estava ligadinha no jogo. Emoção do início ao fim. Lindo ver Alícia Keys entoar o Hino Nacional ao piano tocando e cantando, a entrada triunfal de ambos os times em campo e após o primeiro quarto (2 tempos de 15 min) de jogadas empolgantes, o show do intervalo com Beoncée cantando e arrasando! Nada faltou, nem mesmo o apagão no começo do segundo quarto que durou quase 40 min. E que segundo quarto! Reviravoltas e se não fossem por meros detalhes, talvez os dois touchdowns seguidos do São Francisco teriam sido o começo de uma virada heróica, virada, aliás que não aconteceu pois o Baltmore Raves venceu o jogo por  34 a 31. O jogo foi até as 2:00h da manhã, Valeu a pena ficar acordada para ver um espetáculo desse nível. Já estou ansiosa pelo Super Bowl do ano que vem!
 
PS: Dedicado ao meu amigo Giu, grande fã de NFL  e torcedor do New York Jets