My name is Patthy... Bondgirlpatthy

Bem - vindos ao meu cantinho virtual . A "casa" está sempre aberta à todos que queiram vir aqui ler e comentar meus posts. Este blog não tem compromisso jornalístico portanto não tem compromisso com a imparcialidade. Mas o meu compromisso com a democracia continua. Aqui toda opinião é importante e respeitada. Fiquem à vontade, a "casa" é de vocês. Voltem sempre q quiserem . Um beijo com muito carinho e obrigada.


segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Obrigada por tudo MTV

Logo MTV Brasil site MTV Brasil
Hoje é um dia que muitos não vão esquecer. É o dia da despedida da MTV Brasil canal 32 UHF na TV aberta. Muito se falou sobre isso nesses últimos meses na imprensa e na internet.
Ainda me lembro de um tempo há 23 anos atrás em que essa emissora passava clipes quase 24 h por dia e os seus artistas contratados nunca foram apresentadores, cantores, atores, jornalistas mas um tipo único "importado" lá da terra do Mickey Mouse, todos os artistas eram VJ´s, independente do tipo de programa que apresentavam pois todos tinham a música como tema central. Outra particularidade curiosa: o endereço da MTV Rua Professor Afonso Bovero no bairro do Sumaré foi um dia a sede da TV Tupi, primeiro canal de televisão do Brasil inaugurado em 1950 por Assis Chateubriand.
Muitas vezes a programação dela era, para mim, alternativa na TV aberta quando acabavam os desenhos legais e também outros programas interessantes e mesmo zapeava e parava nela durante intervalos  de programas de outras emissoras. E uma marca registrada eram os horários alternativos e maratonas de reprises dos programas que impediam as pessoas de perder seu programa preferido por causa de outras obrigações no mesmo horário.
E foi numa dessas reprises que a MTV se tornou realmente parte da minha vida e marcou para sempre a minha história particular. Algo lindo, uma "tatuagem" invisível mas que faço questão de exibir.
Era dia 17 de dezembro de 2002. Uma tarde fresca e preguiçosa. Estava em meu quarto assistindo uma novela chamada Alcançar uma Estrela que passava nas tardes do SBT. A novela entrou no intervalo e eu zapeei a TV inteira. Quando chegou no canal 32 só vi um cara vestido de mulher, uma feiura de dar medo mas divertida, uma caricatura da moda do que eram as mais belas mulheres dos anos 60. Cazé Peçanha era essa "mulher" e comandava um game show entre dois fãs de James Bond vestidos de smoking, lindos e elegantes. Eu também fã do agente secreto britânico não voltei a ver a novela naquele dia . E assisti. Não torci por nenhum dos dois, não os conhecia e "brinquei junto" respondendo as perguntas. Estava só, não tinha por companhia nem mesmo meu saudoso gato siamês James Bond, companhia constante nessas tardes deliciosas.
Até que fui bem, acertei quase todas as perguntas numa época em que não tinha com quem conversar sobre esse assunto. Durante o programa o Cazé perguntou a ambos como o público de casa tinha que fazer para entrar no grupo que era a Comunidade 007 Brasil e também perguntou sobre a admissão de mulheres. Um dos rapazes respondeu de um jeito tão lindo e gentil que jamais esqueci essas palavras: "O que seria de James Bond se não fossem as Bond Girls".
Ao terminar o programa não perdi tempo, entrei na internet e fiz o meu cadastro. E escrevi para contar minha história para eles e tirar umas dúvidas. Fui atendida com cordialidade e simpatia. Tive minhas dúvidas esclarecidas e minha história como fã valorizada. E a primeira vez que nos vimos na reunião de fãs numa livraria meio acanhada mas acolhedora fui recebida de um jeito tão carinhoso e tão livre de preconceitos que nunca vou esquecer.
Quase 11 anos se passaram desde aquele 9 de janeiro, dia da primeira reunião. Hoje sou amiga pessoal daqueles "agentes" e sou feliz, ainda mais feliz. Obrigada MTV  por tudo, obrigada Cazé Peçanha. Por causa de vocês fiz amigos para uma vida inteira. Não vou mais poder assistir ao canal nem de relance pois não tenho TV a cabo mas estejam onde estiverem jamais vou esquecer o que fizeram por mim.

domingo, 1 de setembro de 2013

Corinthians um amor cheio de emoções



Quando penso no Corinthians o meu coração dá um salto e dispara de tanto amor e alegria só por saber que ele existe e está aí há 103 anos sendo amado por uns mais afortunados e ignorado por outros nem tão afortunados assim e, ao menos que queiram se dar uma segunda chance, jamais saberão o que significa realmente um amor cheio de emoções .
Desde os meus cinco anos que sei o que é isso. Nunca experimentei um sentimento como esse por outro que não fosse o Timão. E nem quero experimentar pois o amor com emoções é o que me basta para ser feliz para sempre como a mocinha no final de um romance açucarado de banca de jornal.
Confesso que nunca fui aos jogos no estádio, temo a violência mas mesmo não indo é como estar presente pois meu coração sempre está com eles, vibrando e sofrendo, querendo ajudar. Mas vontade de assistir a um jogo não me falta e um dia se Deus permitir vou ver um jogo na nova Arena e vibrar em paz com uma vitória do time.
O Parque são Jorge é minha segunda casa. Cada dia que vou lá é como se fosse o primeiro dia.
Uma emoção sempre. Uma grande honra carregar o escudo do clube que amo no maiô a cada aula. Lá é a casa onde mora meu coração, um lugar que me traz alegrias e me faz bem. Onde pratico esporte e me divirto também encontrando e convivendo com pessoas legais.
Fica impossível descrever todas as emoções que vivo sendo Corinthiana pois esse texto nunca terminaria por isso vou destacar apenas as mais recentes.
A final da Libertadores foi tão emocionante que nem consegui ver, estava muito nervosa, tremi muito e por isso resolvi apenas ouvir. Estava mesmo com medo de morrer. Quando saiu o título eu vibrei, chorei de emoção e no dia seguinte quando acordei achei que era um sonho mas que bom que esse sonho se tornou muito real! Já a final do Mundial, lá no fundo da alma eu sempre tive a certeza absoluta de que seria nossa e foi mais tranquilo. Mesmo assim apenas ouvi por precaução enquanto tomava meu café da manhã. E a Recopa que veio depois eu "nem senti". Vibrei, mas como vibraria como em um jogo normal.
Já dizia a canção: "Ser corinthiano é ir além de ser ou não ser o primeiro". É algo que só quem é entende e um sentimento muito especial, diferente de tudo. Só sei que é gostoso sentir isso. Quando chegar o dia em que partirei eu quero que uma bandeira do Corinthians cubra meu corpo e me acompanhe em meu repouso eterno.
Obrigada Corinthians por existir, por me fazer sorrir e chorar. Por eu ser feliz. Te amo e sempre te amarei na alegria e na tristeza por todos os dias da minha vida. Feliz Aniversário meu eterno amor.