My name is Patthy... Bondgirlpatthy

Bem - vindos ao meu cantinho virtual . A "casa" está sempre aberta à todos que queiram vir aqui ler e comentar meus posts. Este blog não tem compromisso jornalístico portanto não tem compromisso com a imparcialidade. Mas o meu compromisso com a democracia continua. Aqui toda opinião é importante e respeitada. Fiquem à vontade, a "casa" é de vocês. Voltem sempre q quiserem . Um beijo com muito carinho e obrigada.


quinta-feira, 12 de junho de 2014

Eu e a Copa do Mundo no Brasil (e na Band)

Logo TV Band
Sempre acompanhei as transmissões de Copa do Mundo em várias emissoras e até pelo rádio.
Até 1994 torci fervorosamente, usando roupa verde e amarela, bandeira, pintando a rua etc, afinal nunca tinha visto o Brasil ser campeão desse torneio. Somente conhecia as histórias de pessoas mais velhas sobre o último título até então da copa de 1970 e também poucas histórias da copa de 1950 sediada aqui no Brasil conhecida como "Maracanazzo" pois a seleção perdeu a final daquele ano para o Uruguai. A roupa, até uso mas só por usar e quando dá vontade. Acho a combinação estranha e não uso no dia a dia e este ano fiz o álbum de figurinhas para ter uma recordação mas ainda faltam 45 figurinhas para completar. Em 2010 fiz o álbum também porque veio junto com o jornal. E esse já completei.
Nunca fui contra a Copa no Brasil. A ideia é ótima. Só acho que esse evento poderia esperar mais oito anos, apesar de tantos protestos que vemos todos os dias.
Quem protesta contra deve lembrar que a Copa não trouxe os problemas com saúde, educação, corrupção e segurança. Eles já existiam antes desse evento chegar aqui. E ao mesmo tempo, a Copa não é solução mágica para tudo.
Lendo a biografia de Sean Connery e tomando conhecimento da luta dele por uma Escócia independente, aprendi que o verdadeiro patriotismo corrige os erros e injustiças de qualquer país através da busca pelos direitos dos cidadãos e pelo voto dado consciente. Protestar agora não muda nada. Façamos isso nas urnas. Não ver os jogos nem torcer pela seleção ou mesmo escolher outro país para torcer também são direitos que devem ser respeitados. Ninguém é obrigado a assistir o que não quer. Nem torcer para "a maioria".
Hoje em dia não tenho mais aquela empolgação, tanto faz o Brasil ser campeão ou não pois desde que comecei a acompanhar esporte percebi que seleção não é tão seleção assim. Pelo menos não no sentido "brasileira". A maioria dos jogadores não joga em times brasileiros, alguns jogadores só conhecemos quando colecionamos o álbum de figurinhas ou vemos jogos de campeonatos europeus. Eu sou do tempo em que as pessoas vibravam como se fosse um golaço na final quando sabiam que o time do coração tinha mais jogadores convocados do que qualquer adversário da mesma cidade ou estado e o gol do jogador do seu time era sempre o mais bonito e o mais importante de toda a competição. Isso era legal.


Meu álbum e primeiros envelopes de figurinhas

Mas não há como negar que pararei diante da TV para assistir aos jogos do Brasil e também outros jogos que eu queira, afinal, uma Copa aqui no país desperta curiosidade de "viver o clima".
Outras seleções que me despertam um carinho especial são Estados Unidos e Inglaterra. Queria ver uma final de Copa entre os países cujas culturas amo muito mais que a própria cultura do Brasil.
Mas não esse ano. Como a competição é "em casa" não seria justo.
E como todo mundo, já escolhi minha emissora de TV preferida para acompanhar tudo e ser meus olhos e ouvidos. E jamais poderia ser outra a não ser a Band.
Quem já leu qualquer texto meu onde falo sobre esportes sabe que acompanho a Band desde que o Neto começou a comentar jogos. Comecei a assistir jogos do Corinthians, alguns também da Liga dos Campeões da Europa e alguns da seleção em época de Copa.
Com isso acabei não só prestigiando o trabalho do Neto como também aprendendo a gostar de toda uma equipe que tem um diferencial que eu gosto. É formada por gente de opinião e não robotizada de acordo com a opinião do patrão que paga o salário. Até gostava do Galvão Bueno narrando mas ele não empolga mais como antes.
E hoje estou vendo tudo pelo canal 13. Tudo está quase como em 2002.
Quase. Porque não vejo nem ouço Luciano do Valle narrando um gol na "casa" do Corinthians, palco da abertura da Copa.
No último dia 19 de abril Luciano se foi e para mim é inevitável pensar nele agora que o jogo começa. Valleu Luciano do Valle! Obrigada por tantas emoções narradas. Um beijo prá você onde você estiver. E sucesso à todos da Band a partir de agora. Tô na Copa, tô na Band, sempre.




Luciano do Valle (IM)



PS: Dedicado à equipe de esportes da Band e à memória de Luciano do Valle
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixem sua opinião aqui. Ela será lida e respeitada