My name is Patthy... Bondgirlpatthy

Bem - vindos ao meu cantinho virtual . A "casa" está sempre aberta à todos que queiram vir aqui ler e comentar meus posts. Este blog não tem compromisso jornalístico portanto não tem compromisso com a imparcialidade. Mas o meu compromisso com a democracia continua. Aqui toda opinião é importante e respeitada. Fiquem à vontade, a "casa" é de vocês. Voltem sempre q quiserem . Um beijo com muito carinho e obrigada.


sábado, 7 de janeiro de 2017

Meu nome é Bond...James Bond - Capítulo Especial - Fleming, The Man Would Be Bond (Minissérie para TV 2014)



"Tudo o que eu escrevo tem um precedente na verdade". Com essa frase do próprio Ian Fleming que inicia cada um dos 4 episódios da série Fleming The Man Would Be Bond (Fleming o Homem que queria ser Bond) inicio meu primeiro post de 2017 num capítulo super especial da minha série de posts sobre os livros que contam as aventuras de James Bond, o agente secreto mais famoso do mundo. Nada mais justo do que homenagear também o criador de tudo isso, o jornalista, escritor, herói de guerra e "bon vivant" Ian Lancaster Fleming. 
Como Bond maníaca que sou, acabei conhecendo o Ian Fleming escritor e o universo que ele criou. O mundo de James Bond 007, o mundo da espionagem, um misto de realidade com fantasias perfeitamente imaginadas e concebidas por uma mente genial. Cada página de um livro de Fleming jamais será, para mim, apenas páginas de excelentes livros com estórias de espiões. Essas páginas serão sempre para mim (ainda mais agora), morada de "pessoas" interessantes, encantadoras e sedutoras. Cada uma ao seu modo, a cada nova leitura que faço, vai me conquistando e me prende em seu  mundo fascinante. Mistérios que quero descobrir a cada capítulo, a cada livro. Hoje posso afirmar que sou também Fleming Maníaca. Se esse termo ainda não existe, acabei de inventar.
Desde que soube que a BBC America em parceria com a Ecossi Films e Sky Atlantic estava produzindo a série que contaria a história de Ian Fleming que o grande público desconhece, fiquei muito interessada. Passei a acompanhar notícias, ler sobre a série, pesquisar vídeos, ouvir um podcast sobre ela feito por meus amigos também fãs de 007 e leitores de Fleming. (Link para ouvir: Bondcast Brasil 0025 – O homem que queria ser Fleming) mas não consegui assistir muita coisa. Sem TV a cabo foi impossível mas não perdi as esperanças.
Continuei com minhas pesquisas ao longo de 2014/2015 e descobri a série na Netflix UK. Não deu pra acessar.
Fiquei muito feliz quando a Netflix Brasil resolveu incluir Fleming em seu catálogo. Eu mesma enchi o saco, vivia pedindo pra eles e parece que não fui a única.
Interrompi todas as séries que eu estava acompanhando para me dedicar 100% a esta. Exclusividade total. E não me arrependi.
A vida de Ian Fleming é um assunto interessantíssimo. Ele era um cara inteligente, desse tipo de pessoa que eu seria capaz de passar horas a fio apenas ouvindo suas histórias. Se ele foi um "bon vivant" influenciado o tempo inteiro pela mãe, ajudado por ela para conseguir um lugar ao sol, isso é outra coisa mas vejo que ele foi fruto de uma era de ouro onde isso era comum. A "batalha particular" dele com o irmão por prestígio e respeito é bastante interessante.
O mais gostoso disso tudo é o Bond maníaco notar aos poucos o quanto a vida real do criador é influenciada por sua maior criação. Ou seria o contrário? E como isso é passado para o público que está assistindo, mesmo aquele que nada sabe sobre Fleming ou Bond mas que curte séries biográficas.
E os amores? Como ele vai levando os romances. De Muriel Wright a Ann O´Neil.O quanto ele é delicado e ao mesmo tempo agressivo e violento com elas.
Como ele vai subindo degrau a degrau na vida militar, de um relis soldado até ser finalmente Comandante da Marinha Britânica, revelando - se um grande estrategista, um pioneiro que inventa formas e aparelhagens para realizar trabalhos de espionagem. Como ele desenvolve a espionagem em si.
Além de ser um  grande negociador porque consegue com muita facilidade e bons argumentos o apoio dos oficiais superiores, Rear Admiral John Godfrey, Sargento Dixon e Segunda Oficial Monday.
Dominic Cooper no papel principal emprestou jovialidade e um pouco mais de beleza à figura de Ian Fleming que tinha seu charme e muita lábia mas não era tão bonito. Parecia muito comum. Cooper soube levar isso muito bem. Quem vê a série vê o personagem e não o ator. Laura Purves, no papel de Ann O´Neil traz veracidade às cenas em que atua ao lado de Dominic Cooper. Os dois tem uma química perfeita a cada diálogo ou a cada cena. Trabalham muito bem juntos e todo o elenco completa essa atmosfera. Sem falar nas referências diretas e riqueza de detalhes.
Uma das melhores séries biográficas que já vi na vida. E que quero rever um dia.Uma série obrigatória para fãs de cinema, cultura pop e principalmente para fãs de James Bond.

Eu retornarei.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixem sua opinião aqui. Ela será lida e respeitada