My name is Patthy... Bondgirlpatthy

Bem - vindos ao meu cantinho virtual . A "casa" está sempre aberta à todos que queiram vir aqui ler e comentar meus posts. Este blog não tem compromisso jornalístico portanto não tem compromisso com a imparcialidade. Mas o meu compromisso com a democracia continua. Aqui toda opinião é importante e respeitada. Fiquem à vontade, a "casa" é de vocês. Voltem sempre q quiserem . Um beijo com muito carinho e obrigada.


sábado, 21 de outubro de 2017

Meu nome é Bond...James Bond - Capítulo 5 - Moscou Contra 007 (1957)

    


Depois de um breve intervalo, retornamos com nossa série sobre os livros de Ian Fleming e os filmes inspirados neles. 
Para começarmos a conversa, o livro Moscou contra 007 é recheado da tradicional espionagem da Guerra Fria que vigorou desde o término da Segunda Guerra Mundial em 1945 até a extinção da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas em 1991. 
Este período é uma grande fonte de inspiração para autores de livros que criam em cima desse universo a espionagem mais clássica, mais autêntica e mais romantizada porém, sem boa parte dos "delírios tecnológicos" utilizados no cinema. 
Uma fonte inesgotável, ainda mais para Ian Fleming, um jornalista e herói de guerra que buscou realizar - se através de sua famosa criação, o agente secreto do MI-6 James Bond, personagem dotado de tudo aquilo que Fleming almejava ser. 
O livro traz um ritmo bem gostoso de ler, é envolvente. Aguça o desejo de saber o que nos espera na próxima linha, no próximo parágrafo e no próximo capítulo. 
Ian Fleming começa a esboçar os primeiros traços do personagem que conhecemos no cinema, trazendo a espionagem clássica presente até os dias de hoje no imaginário popular, dando asas à sua imaginação fértil e nos convidando a viver em seu mundo
Bond é levado para uma "armadilha de amor" cuja bela isca é a agente da SPECTRE (não confundir com o filme de 2015 com Daniel Craig como James Bond) Tatiana Romanova - vulgo Tânia treinada pela inescrupulosa Rosa Klebb para arrancar informações altamente confidenciais e ser submissa não só aos seus superiores russos como também à Bond quando necessário para obter uma decodificadora lektor.
Diferentemente de outras bond girls literárias como por exemplo, Tiffany Case de Os Diamantes São Eternos, não vemos 007 empenhado em conquistar o amor de sua parceira, apenas divertindo - se num jogo de sedução deliciosamente perigoso. Romanova representa para ele um risco muito grande. Quando está com ela, ele é tão vulnerável quanto um ser inocente qualquer. Ele flerta com o perigo e gosta disso. 
A atmosfera é tão mágica que todo o romantismo da espionagem clássica fica evidente com alguns elementos como a viagem a bordo do Expresso Oriente por paisagens de perder o fôlego, e perseguições feitas por capangas fortes e brucutus desprovidos de qualquer sentimento. 
E nesta aventura, Bond também conta com o auxílio de Kerin Bay, um agente ligado ao MI -6 na região da Turquia, disposto a ser "pau pra toda obra".
Este livro deu o primeiro impulso à Bond Mania quando o então presidente John Kennedy fez uma lista de livros favoritos para a conceituada revista Life e entre os títulos escolhidos estava Moscou Contra 007. Como tudo que Kennedy e sua família gostavam ou faziam virava moda nos Estados Unidos e no mundo inteiro, não demorou para que os livros de Ian Fleming virassem uma verdadeira febre. 
A adaptação para o cinema segue o livro com uma fidelidade quase completa. 
A Guerra Fria e a espionagem praticada naquela época foram levadas para as salas de cinema. Tudo estava lá, só que agora tínhamos imagens. E uma coisinha e outra era acrescentada para dar mais emoção. Vemos por exemplo a primeira aparição de Desmond Llewelyn como Major Boothroyd, o Q, armeiro do MI-6. 
Como curiosidade, vemos uma miss como a bond girl principal, Daniela Biancchi, a Miss Itália 1960, Miss Fotogenia e segundo lugar no Miss Universo do mesmo ano. Considerada uma das mais bonitas bond girls de todos os tempos. Segundo informações do site Universo Bond, Daniela Biancchi não dominava bem o inglês e seu sotaque italiano era muito evidente e por isso, teve de ser dublada no filme. 
Moscou Contra 007 é um dos filmes mais "queridinhos" entre os fãs de James Bond porque mesmo sem muitos gadgets nos mostra que o James Bond literário da espionagem clássica e o James Bond da "espionagem de cinema" caminham lado a lado, tornando - se um só para a alegria do seu público.

Eu retornarei em: 007 Contra o Satânico Dr. No  

PS: Essa série de textos é dedicada à memória de Ian Fleming e também aos amigos Lucian e Rildon que me incentivaram a fazer essa experiência. Obrigada, amigos. Beijos.

Site Universo Bond: (www.universobond.com.br)





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixem sua opinião aqui. Ela será lida e respeitada