My name is Patthy... Bondgirlpatthy

Bem - vindos ao meu cantinho virtual . A "casa" está sempre aberta à todos que queiram vir aqui ler e comentar meus posts. Este blog não tem compromisso jornalístico portanto não tem compromisso com a imparcialidade. Mas o meu compromisso com a democracia continua. Aqui toda opinião é importante e respeitada. Fiquem à vontade, a "casa" é de vocês. Voltem sempre q quiserem . Um beijo com muito carinho e obrigada.


terça-feira, 3 de julho de 2018

Amor Proibido: Um "amor" impossível de esquecer

Logo original da novela Amor Proibido Arte: Kanal D Turquia
Esta não é a minha primeira experiência assistindo novelas estrangeiras e também não é a primeira vez que assisto uma novela de um país totalmente diferente dos que estou acostumada, seja ele o Brasil ou mesmo qualquer outro que fale inglês ou espanhol. Eu nunca tive esse negócio de "novela boa é só na Globo ou só tem na Globo".
Das novelas nacionais que já acompanhei, vi algumas em outras emissoras como Record TV e SBT. Algumas vezes me arrependi, outras vezes não. 
Já me arrependi até mesmo em acompanhar novelas da própria Globo, cujas propagandas prometiam uma grande estória que, por vezes, esta "grandeza" era construída apenas na propaganda para atrair a audiência. Nem sempre isso funcionou comigo. 
E às vezes, uma novela que não era tão comentada espontaneamente e seus personagens não eram tão populares, reservavam surpresas inacreditáveis, seja pela estória, personagens ou locações de filmagem.
Eu sempre gostei de sair do óbvio quando o assunto é programa de TV em geral, sem medo de quebrar a cara. 
E foi isso que me fez assistir na Band duas novelas turcas: a primeira, uma adaptação moderna da conhecida estória de Sherazade e as 1001 noites em que ela tentava amolecer o coração de Onur contando - lhe uma estória por noite. Assisti toda, foi boa, assisti novamente numa reprise compacto ano passado mas ela não se compara a Amor Proibido, segunda novela turca que acabei de assistir ontem. 
Era só aparecer a maçãzinha na tela e começar a música de abertura, suave e q crescia aos poucos que eu parava tudo para acompanhar a saga de Bihter e Adnan, Nihlay e Behlül com sua complicada trama amorosa assim como é complicado escrever esses nomes no post. 
Apesar da Band passar de segunda a sábado, acompanhei tudo na internet pois estava vendo outra novela, brasileira, de mesmo horário na Record TV. Optei por ver os 167 capítulos (formato no Brasil) pelo site da Band que disponibiliza todo seu conteúdo de novelas na íntegra gratuitamente. Eu sempre via o capítulo do dia anterior no horário que desse e aos sábados via pela TV pois a Record não exibia sua novela aos sábados. E isso se seguiu pelos 7 meses todos os dias até o último capítulo. 

Logo versão brasileira da novela Amor Proibido Arte: TV Band
O que me atraiu nesta novela além da sua trama foi também um pouco da cultura turca. Costumes e pensamentos diferentes que a todo tempo são demonstradas na novela, de forma que todo mundo possa notar facilmente. Por exemplo: A suntuosa mansão Ziyagil onde moram Adnan, o rico empresário, seus dois filhos Nihlay e Bullent (pronuncia - se Bulan), o sobrinho Behlül., a  esposa Bihter e a sogra Firdevs e também os empregados Senhor Sülleyman, Besir, Saieste, Nesrin, Cemile, Katya e Senhorita Deniz (Mademoiselle).
Nesta mansão fica muito clara a divisão de classes: enquanto os membros da família Ziyagil ficam na parte de cima da mansão em um espaço luxuoso e cada um tem sua própria suíte, os empregados circulam apenas pela cozinha e o andar debaixo da casa, onde também estão seus aposentos mais simples, sem suíte, pequenos mas que lhes permite o mínimo de conforto. Isso dá ao público a real noção visual de quem manda e quem obedece.
Outra coisa é mais polêmica: a questão do aborto que no Brasil não é permitido mas na Turquia é dentro da lei.
Por duas vezes durante a novela, a personagem Bihter engravidou e praticou aborto. Em uma das vezes, chegamos a vê - la no médico deitada, vestindo uma roupa de hospital, enfraquecida e zonza.
Agora curiosidades leves: as receitas de chá super quentes, a simpatia da fogueira no Dia de São Jorge quando os turcos deixam suas casas e na rua acendem grandes fogueiras para nelas colocar seus pedidos escritos em papéis que antes estavam amarrados em uma espécie de "árvore dos desejos" preparada no dia anterior. E também os ritos de casamento e de funeral muito diferentes do que estamos acostumados.
Outro fato curioso é que nessas novelas poucas vezes vemos um simples "selinho" trocado por um casal e nem cenas que sugerem intimidade ou demonstração de afeto, embora nesta novela há poucas cenas deste tipo e por conta disso, foi censurada em alguns países de cultura muçulmana mais conservadora. Nada que tire o brilho de um trabalho impecável.
Essa novela é, sem dúvida uma das melhores que assisti na vida. Deixou em mim uma linda marca no coração, apesar de um final trágico, fora do convencional mas que faz sentido. Tudo levou a isso. Já estou com saudade, muita saudade.

PS: Dedicado com carinho ao elenco e equipe técnica da novela, e às emissoras  Kanal D e Band. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixem sua opinião aqui. Ela será lida e respeitada