My name is Patthy... Bondgirlpatthy

Bem - vindos ao meu cantinho virtual . A "casa" está sempre aberta à todos que queiram vir aqui ler e comentar meus posts. Este blog não tem compromisso jornalístico portanto não tem compromisso com a imparcialidade. Mas o meu compromisso com a democracia continua. Aqui toda opinião é importante e respeitada. Fiquem à vontade, a "casa" é de vocês. Voltem sempre q quiserem . Um beijo com muito carinho e obrigada.


domingo, 16 de outubro de 2016

Em 1976 a "primeira loucura" do Bando de loucos (Invasão Maracanã)



Até hoje, apenas tinha ouvido e visto pouquíssimas imagens de um dia que marcou para sempre a história do futebol do Brasil. Talvez a maior loucura no bom sentido causada por uma torcida por amor ao seu time. E numa época que não existia internet, smartphone e rede social. 
O filme conta a história da Invasão Corinthiana de 1976. 
70 mil pessoas se deslocaram de São Paulo para o Rio de Janeiro usando os mais diversos meios de transporte ou mesmo indo a pé. Tudo por amor ao Corinthians, afim de assistir a semifinal do Campeonato Brasileiro daquele ano diante do Fluminense. 
Como Corinthiana, eu já tinha ouvido várias vezes as histórias daquela época narrada por várias pessoas mas principalmente por meu saudoso tio Joãozinho nas tardes de domingo em que ia na casa dele, dividindo essas histórias com meus primos. Todos muito crianças de até 5 anos.
Tenho também um LP que narra essa história, presente do querido amigo Bosco, que ouço de vez em quando mas sempre com muito carinho. 
Seja como for, ainda assim não eram imagens. Eram fatos narrados heroicamente como se fosse uma grande epopeia.
Ao ver o filme, não consegui piscar o olho, não consegui ter outra reação a não ser ficar praticamente estática. Aquelas imagens da Via Dutra sendo colorida em preto e branco com um imenso mar de pessoas se deslocando de uma cidade à outra enfrentando de tudo: desconforto, calor, fome, insônia, dores, falta de dinheiro, todo tipo de adversidade. 
As narrações finalmente ganhavam rostos e formas que eu podia ver e o meu sentimento particular de corinthianismo pode "reconhecer" através dessas imagens e fazer o coração por muitas vezes disparar ditando o ritmo da emoção. Tudo muito grandioso, colossal, louco, tal qual meu saudoso tio narrava com emoção na voz e um brilho no olhar que refletia todo o sentimento dele ao relembrar das reportagens, já que, até onde eu saiba, ele não foi ao Rio de Janeiro naquele 5 de Dezembro histórico. 
E quanto a mim, eu era apenas uma menina com 1 ano, 7 meses e 3 dias que não sabia o que era uma bola e muito menos o que era futebol ou qualquer esporte. Concentrava - se apenas em dormir no seu bercinho cercada por seus bichinhos de pelúcia, especialmente um cãozinho cor de rosa grande. O "ser Corinthians" chegou muito depois disso. 
Mas voltando à história do filme: Assim como os relatos do meu tio, os relatos de quem esteve lá, de quem viveu, quem jogou, quem torceu, quem narrou o jogo e noticiou os fatos de todas as formas, era tudo muito maior, mais colossal e incrível! 
E o mais arrepiante, as cenas do jogo final. Embora eu já soubesse o resultado, foi como se o jogo fosse transmitido aquela hora, eu ficava atenta a cada lance, a cada comentário, a cada jogada. A cada gol. Por vezes tive vontade de vibrar e torcer igual a aquela torcida impressionante que, de fato invadiu e dividiu o Maracanã com a torcida de um time carioca, feito jamais repetido até o momento. Me contive por fora, mas por dentro... vocês podem imaginar, claro, quem for corinthiano. 
O que a torcida do Corinthians fez é considerado por muitos até hoje como a maior demonstração de amor clubístico que o país já viu e para mim, o real nascimento do "bando de loucos". Um feito que foi reconhecido na época por todos times rivais e pelo Fluminense, adversário direto naquele jogo.
Só lamento que meu tio não estava no cinema hoje para que pudesse dividir comigo de novo as emoções de uma história incrível como quando eu era criança mas com certeza, lá do céu, ele torce pelo sucesso desse filme e pelo Corinthians. Impossível não pensar nele, minha maior influência. A pessoa que me "ensinou" o que é ser Corinthians e carregar comigo um pouco dessa história dentro do meu coração. Eternamente. 
Se eu não invadi o Maracanã naquela época, 40 anos depois, "invadi" o cinema para ver a história ser contada. E tenho o ingresso para provar.


PS: Dedicado ao time do Corinthians 1976, torcedores e todos que viveram essa loucura épica, ao meu tio Joãozinho (IM) e ao meu amigo João Bosco que me ensinou muito da história do Corinthians. 


2 comentários:

  1. eu estava lá...fiz matéria para a Gazeta Esportiva, de carro mostrando a são paulo- rio vestida de corinthians !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nooooooooooooooooooooooooooossaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa, q doido! Bjs

      Excluir

Deixem sua opinião aqui. Ela será lida e respeitada